terça-feira, 31 de janeiro de 2017

PF-06647020 - uma nova esperança para câncer de ovário avançado e resistente à platina



Durante a reunião anual da Sociedade Européia de Oncologia Médica (ESMO), realizada de 7 a 11 de outubro de 2016 em Copenhague, Dinamarca, dados preliminares para PF-06647020 (um fármac conjugado fármaco-anticorpo que tem como alvo a proteína tirosina quinase 7 (PTK7) em pacientes com tumores sólidos avançados) foram apresentados como parte um resumo de última hora / cartaz (Resumo LBA35). [1]

O estudo foi inicialmente concebido como um estudo dose-escalonamento para avaliar a segurança farmacocinética e atividade antitumoral para pacientes com tumores sólidos avançados. Uma expansão pré-planejada para câncer de ovário incluiu 27 pacientes que receberam PF-06647020 .

Os dados dos ensaios clínicos também confirmam que o uso da terapia dirigida a PTK7 resultou numa resposta de aproximadamente 50% no caso de cancro da mama e uma resposta quase completa (CR) para cancro do ovário. Estes resultados de fase inicial sublinham o forte perfil de eficácia de PF-06647020. Os ensaios de fase inicial demonstraram ainda que o PF-06647020, devido à sua baixa toxicidade, é bem tolerado com um perfil de segurança aceitável.

Resultados do teste 
Até à data, 76 doentes foram tratados com PF-06647020. Um total de 60, os quais foram tratados a 2,8 mg / kg uma vez a cada 3 semanas (Q3W) / ciclo em doses crescentes de 0,2 - 3,7 mg / kg até a progressão.

A maioria dos eventos adversos tem grau 1-2 com a maioria sendo auto-limitante e nem exigindo intervenção médica. Os eventos adversos relatados mais comumente (≥ 10%) foram náuseas (46%), alopecia (34%), cefaléia (32%), fadiga (30%), neutropenia (26%), vômitos Apetite (17%), mialgia (15%), artralgia (11%) e diarréia (11%).

Quatorze pacientes (18%) apresentaram neutropenia grau 3 associada à droga e 3 pacientes (4%) descontinuaram devido a eventos adversos relacionados à droga.

29 pacientes com câncer de ovário recorrente, (idade mediana 58,5 anos [42-77]),  foram tratados com 2,1 mg / kg (1 pt). 22 pacientes atualmente avaliáveis ​​neste grupo de pacientes com câncer de ovário resistente à platina, os resultados do estudo mostraram Resposta Completa (CR) em 1 paciente, 5 pacientes tiveram Resposta Parcial, 12 pacientes tinham doença estável e 4 pacientes tinham doença progressiva. A duração média do tratamento foi de 3 ciclos (intervalo 1-13). Um total de 10 pacientes permaneceram em tratamento.

O fármaco investigativo tem como alvo a PTK7, uma proteína tirosina quinase catalisada incentivante que funciona na biologia do desenvolvimento e é mais expressa numa variedade de cancros humanos. A coloração por imuno-histoquímica exploratória através de um ensaio validado em tumores arquivísticos mostrou que todos os pacientes com cancro do ovário (OVCA) tinham uma expressão de PTK7.

Abordagem inovadora 
PF-06647020 é um anti-PTK7 Antibody-drug Conjugate desenvolvido pela Pfizer em colaboração com Stemcentrx (agora parte da AbbVie ). O novo ADC compreende um anticorpo monoclonal humanizado dirigido contra PTK7, que também é expresso em muitos tipos de tumores, ligado a uma carga útil de inibidor de microtúbulos de auristatina através de um ligante dipeptídico clivável.

Tumores Sólidos Avançados 
No estudo de fase I, PF-06647020 mostrou um perfil de segurança aceitável em doentes com neoplasias malignas avançadas, incluindo cancro da mama triplo negativo (TNBC), cancro do ovário avançado e cancro do pulmão de células não pequenas (NSCLC). O PF-06647020 também mostrou uma indicação precoce da atividade antitumoral numa população de doentes não selecionada. [2]

Nos dados apresentados durante a reunião ESMO / ECCO em 2015, PF-06647020 mostrou algumas respostas em doses acima de 2,1mg / kg em doentes com cancro da mama triplo negativo e cancro do ovário resistente à platina. Nessa altura, não foram notificadas toxicidades limitadoras de dose (DLTs) com escalonamento da dose continuando para 3,7 mg / kg. [2]

"Tanto o câncer de mama triplo negativo como o câncer de ovário resistente à platina são difíceis de tratar, e novas abordagens são urgentemente necessárias", observou Markus Joerger, MD, atendendo oncologista médico no Centro de Câncer de St. Gallen (Kantonsspital St.Gallen) em St. Gallen , Suíça, depois de analisar os resultados do ensaio apresentado na reunião anual da Sociedade Europeia de Oncologia Médica . "A atividade clínica mostrada com PF-06647020, é realmente encorajador", continuou ele.

"Benefícios clinicamente relevantes podem ser confirmados com alguns novos agentes alvo como PF-06647020 e espera-se que sua promessa inicial seja confirmada em estudos maiores", concluiu Joerger.

Última revisão: 14 de outubro de 2016

Identificação do ensaio clínico

NCT02222922

Entidade jurídica responsável pelo estudo

Pfizer

Financiamento

Pfizer

Divulgação

JC Sachdev: 1. Pfizer Investigator 2. Financiamento de pesquisa anterior da Pfizer para um IIT. M. Maitland, M. Sharma, V. Moreno, V. Boni, S. Kummar: 1. Investigador da Pfizer. B. Gibson, D. Xuan, T. Joh, E. Powell, A. Jackson-Fisher, M. Damelin, X. Xin: 1. Empregado da Pfizer 2. Proprietário da Pfizer. A. Tolcher: 1. Investigador da Pfizer 2. Ex-membro do conselho consultivo - todos os honorários pagos ao START. E. Calvo: 1. Investigador da Pfizer.

Encontro 08 de outubro de 2016
Evento Congresso ESMO 2016
Sessão Cancros ginecológicos
Tópicos Cancro do ovário 
Apresentador Jasgit Sachdev
Citação Annals of Oncology (2016) 27 (6): 1-36. 10.1093 / annonc / mdw435
Autores JC Sachdev 1 , M. Maitland 2 , M. Sharma 2 , V. Moreno 3 , V. Boni 4 , S. Kummar 5 , B. Gibson 6 , D. Xuan 6 , T. Joh 6 , E. Powell 6 , A J. Jackson-Fisher 6 , M. Damelin 6 , X. Xin 6 , A. Tolcher 7 , E. Calvo 4

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Fatores de risco do câncer de ovário!


Embora estudos científicos afirmem que metade dos casos de câncer de ovário ocorra em mulheres acima de 60 anos e que raramente acometa mulheres com menos de 40 anos, tenho me surpreendido com a grande quantidade de mulheres jovens que participam do grupo Câncer de Ovário: Juntas somos mais fortes! A mais jovem integrante foi diagnosticada aos 14 anos de idade, hoje está com 17, e temos muitas outras integrantes acometidas com câncer de ovário na faixa dos 20, 30 e 40 anos, todas elas durante a idade reprodutiva, ou seja, não tinham nem sequer chegado perto da menopausa!
Abordei esse assunto somente para alertar as leitoras que não há idade para se ter câncer de ovário!
Existem alguns fatores de risco que merecem atenção, porém, ter um fator de risco ou mesmo vários, não significa que você vai ter uma doença como o câncer. Muitas pessoas que contraem a doença podem não estar sujeitas a nenhum fator de risco conhecido. Se uma pessoa com câncer de ovário tem algum fator de risco, muitas vezes é muito difícil saber o quanto esse fator pode ter contribuído para o desenvolvimento da doença.

Vários fatores de risco podem tornar uma pessoa mais propensa a desenvolver câncer de ovário:

Idade - O risco de desenvolver câncer de ovário aumenta com a idade, e a maioria dos cânceres de ovário se desenvolve após a menopausa. Metade dos casos são diagnosticados em mulheres acima de 63 anos.

Obesidade - Alguns estudos analisaram a relação entre obesidade e câncer de ovário, e de um modo geral, as mulheres obesas, com índice de massa corporal acima de 30, têm um risco aumentado para câncer de ovário.

História Reprodutiva - Mulheres que tiveram filhos têm menor risco de câncer de ovário em relação às mulheres que nunca engravidaram. Este risco diminui a cada gravidez, sendo que a amamentação pode reduzir ainda mais esse risco.

Controle da Natalidade - As mulheres que usaram pílulas anticoncepcionais têm um menor risco de câncer de ovário. A diminuição do risco é observada apenas após 3 a 6 meses de utilização do medicamento, e o risco diminui quanto mais tempo os anticoncepcionais são utilizados. Este risco continua baixo durante muitos anos após o uso do anticoncepcional ser interrompido. Um estudo recente mostrou que as mulheres que usaram acetato de medroxiprogesterona, um contraceptivo hormonal injetável tiveram menor risco de câncer de ovário. O risco foi ainda menor para as mulheres que usaram esse medicamento por mais de 3 anos.

Cirurgia Ginecológica - A laqueadura tubária pode reduzir a chance de desenvolver câncer de ovário em até 67%. A histerectomia também parece reduzir o risco em cerca de um terço.

Medicamentos para Fertilidade - Em alguns estudos foram detectados que o uso do citrato de clomifeno por mais de um ano pode aumentar o risco de tumores de ovário. Os medicamentos usados para fertilidade parecem aumentar o risco de doença, conhecida como de baixo potencial de malignidade. Portanto, se estiver tomando medicamentos para fertilidade, sempre discuta com o seu médico os riscos potenciais. No entanto, mulheres inférteis podem ter um risco maior em relação às mulheres férteis, mesmo que estejam usando medicamentos para fertilidade. Isso pode ser em parte porque elas não tiveram filhos ou usavam pílulas anticoncepcionais. Não obstante, mais estudos estão em andamento para esclarecer essas relações.

Andrógenos - Em um pequeno estudo o uso do danazol, droga que aumenta os níveis de andrógenos, foi associado a um risco aumentado de câncer de ovário. Em um estudo mais amplo, esta ligação não foi confirmada, mas se observou que as mulheres que usam andrógenos têm um risco aumentado de câncer de ovário. Outros estudos sobre o papel dos andrógenos no câncer de ovário estão sendo desenhados.

Terapia Estrogênica e Terapia Hormonal - Alguns estudos sugerem que o uso de estrogênios após a menopausa aumenta o risco de câncer de ovário. Este risco parece ser maior nas mulheres que tomam apenas estrogênio (sem progesterona) por pelo menos 5 a 10 anos. No entanto, esse aumento do risco é incerto para mulheres que tomam estrogênio e progesterona.

Histórico Familiar de outros Cânceres - O risco de câncer de ovário é maior se um parente de primeiro grau foi diagnosticado com câncer de ovário, indiferente se for do lado materno ou paterno. 10% dos cânceres de ovário são hereditários. Um histórico familiar para alguns outros tipos de câncer causados por uma mutação herdada em certos genes pode aumentar o risco de câncer de ovário. Por exemplo, mutações nos genes BRCA1 e BRCA2 aumentam o risco de câncer de mama, portanto, ter um membro da família com câncer de mama pode aumentar o risco de câncer de ovário. Outro conjunto de genes que aumenta o risco de câncer de ovário são famílias com risco aumentado de câncer colorretal. Muitos casos de carcinoma epitelial de ovário são causados por mutações genéticas hereditárias que podem ser identificados em testes genéticos.

Histórico Pessoal de Câncer de Mama - O histórico pessoal de câncer de mama aumenta o risco de câncer de ovário. Existem várias razões para isso, alguns dos fatores de risco reprodutivo para câncer de ovário também podem afetar o risco de câncer de mama. O risco de câncer de ovário após o câncer de mama é maior nas mulheres com histórico familiar de câncer de mama. Uma forte história familiar de câncer de mama pode ser causada por uma mutação herdada nos genes BRCA1 ou BRCA2, que também pode ser um fator para causar câncer de ovário.

Talco - Alguns estudos sugerem um ligeiro aumento do risco de câncer de ovário em mulheres que usavam talco sobre a área genital. No passado, o talco continha amianto, um conhecido mineral cancerígeno. Em alguns estudos isso explica a associação com o câncer de ovário. Há 20 anos está proibido a adição de amianto aos produtos em pó para corpo e rosto. No momento, não existem evidências que liguem o pó de amido de milho com quaisquer cânceres femininos.

Dieta - Mulheres que seguem uma dieta com baixo teor de gordura, por pelo menos 4 anos, têm um risco menor de câncer de ovário. Recomenda-se que as mulheres tenham uma dieta com grande variedade de alimentos saudáveis, com ênfase em fontes vegetais, alimentando-se diariamente pelo menos com 2-3 porções de frutas, legumes, grãos inteiros, pães, cereais, arroz, macarrão ou feijão. É recomendada, ainda uma limitação na ingestão de carne vermelha e carnes processadas, mesmo que o impacto dessas recomendações dietéticas sobre o risco de câncer de ovário ainda seja incerta. Essas orientações podem ajudar a prevenir várias outras doenças, incluindo alguns outros tipos de câncer.

Analgésicos - Em alguns estudos, tanto a aspirina como o acetaminofeno mostraram ser capazes de reduzir o risco de câncer de ovário. No entanto, essa informação não é consistente. As mulheres que não fazem uso destes medicamentos regularmente para outras condições de saúde não devem começar a fazê-lo para tentar prevenir o câncer de ovário, pois ainda são necessários mais estudos sobre o assunto.

Tabagismo e Álcool - O tabagismo e o uso de álcool não aumentam o risco do câncer de ovário, mas alguns estudos indicam que pode aumentar o risco para o tipo mucinoso.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Quando pedir uma segunda opinião médica

Tenho visto no grupo, Câncer de Ovário: Juntas somos mais fortes, alguns questionamentos sobre quando procurar uma segunda opinião médica. Eu, particularmente, acho de extrema importância poder discutir com o médicode forma aberta, o diagnóstico, o prognóstico e as opções de tratamento. Há mais de 5 anos, sou acompanhada pelo Dr. Carlos Faloppa, cirurgião oncoginecológico do AC Camargo e temos tido uma excelente relação médico-paciente! Eu o procurei logo após ter recebido o diagnóstico de câncer de ovário em um outro hospital e, digo a vocês que foi a melhor decisão que pude tomar em minha vida!

Esse artigo elucida o porquê devemos procurar outras opiniões e condutas médicas quando se tem dúvidas, ou  quando não se está seguro! 

Por quê?

É uma boa idéia ter opiniões adicionais sempre que o paciente ou os familiares sentem-se incertos sobre os conselhos que estão sendo dados. Os médicos geralmente concordam com condutas e tratamentos bem estabelecidos e conhecidos para alguns tipos de neoplasias, mas podem discordar em relação a outros tipos de câncer. Nem sempre uma pessoa busca uma outra opinião com a intenção de mudar de médico, mas apenas para se sentir mais segura com o que está acontecendo.
Mesmo quando há concordância que determidada conduta é a que tem mais chance de controlar a doença, podem existir ainda dúvidas sobre efeitos colaterais e a capacidade do paciente tolerar o tratamento, além da possibilidade de melhora ou piora da qualidade de vida com determinado tratamento. Às vezes podem ser necessárias até três ou quatro avaliações diferentes para que o paciente se sinta seguro de qual é o melhor caminho a ser seguido.

O diagnóstico está correto?

Ocasionalmente a própria confirmação do diagnóstico requer uma segunda opinião. Isto pode significar que é necessária uma revisão da biópsia por um segundo patologista, ou que outro radiologista verifique a radiografia (ou outro exame de imagem) para ter certeza da acurácia do diagnóstico.

Qual tratamento é melhor?

Muitas pessoas procuram outro especialista para ajudá-las a escolher entre opções sugeridas pelo seu médico, ou para checar outras possibilidades.
As terapias usadas contra o câncer podem causar conseqüências a longo prazo, como mudanças na aparência, infertilidade, necessidade de uso de bolsas de colostomia. Os benefícios de um determinado tratamento, portanto, devem ser balanceados com as possíveis conseqüências (ou efeitos colaterais). Terapias diferentes apresentam várias vantagens e desvantagens que o paciente deve pesar, em ralação ao estágio da vida, necessidades de carreira, expectativas da família, esperanças e desejos próprios.
Mesmo quando duas opções de tratamento são similares em relação à eficácia, elas podem apresentar efeitos muito diferentes na vida de uma pessoa. Por isso, há necessidade de o máximo de informação possível antes da tomada de uma decisão.

Segundas opiniões durante o tratamento

A decisão de procurar outras opiniões não é tomada apenas antes do tratamento. Ocasionalmente no meio do tratamento ocorrem dúvidas, pelo fato do tumor não estar respondendo do modo esperado. Ou no final de um tratamento, pode ser necessária a avaliação sobre a necessidade de alguma terapia comlementar.

Quando uma segunda opinião é necessária?

  • O médico não consegue determinar a causa de seus sintomas;
  • Você quer confirmar a primeira recomendação do tratamento feita;
  • Seu médico não é oncologista;
  • Seu médico não tem experiência em tratar o seu tipo específico de câncer;
  • Você quer se assegurar que está recebendo o tratamento mais recomendado;
  • Você está preocupado em relação a efeitos colaterais de curto e longo prazo em relação ao tratamento recomendado;
  • Você está interesado em tratamentos experimentais;
  • Você tem problemas de comunicação com seu médico;
  • O tratamento recomendado interferirá com o modo em que você leva sua vida, e você quer saber se existem outras opções;
  • Você não confia no seu médico, ou se sente desconfortável com as suas recomendações;
  • Seu médico está subestimando a seriedade de sua condição de saúde ou de suas preocupações.

Quando as opiniões são conflitantes

Um médico pode recomendar tratar determinado tipo de câncer com uma combinação de cirurgia radical, associada a radioterapia posterior, mais quimioterapia agressiva. Outro médico, no entanto, prefere um tratamento mais conservador, com cirurgia menos agrassiva, associada ou não a tratamentos posteriores. Como você pode decidir qual caminho a seguir?
Neste ponto, um oncologista deve saber explicar todos os prós e os contras de cada proposta. O seu médico de referência pode ajudar a apontar as vantagens e desvantagens das recomendações conflitantes. O importante é não se sentir pressionado a definir uma decisão até que se esteja satisfeito de que toda informação necessária esteja clara.
O importante é ter confiança no que está sendo feito. É o primeiro caminho para o sucesso.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

10 sinais de câncer de Ovário que não podem ser ignorados


Existem alguns sinais do Câncer de Ovário que não devemos ignorar de forma alguma.
O câncer de ovário é o mais silencioso de todos os cânceres. Ele não tem sintomas muito particulares e é difícil de ser diagnosticado e, quando ele se torna rastreável, isso geralmente acontece quando já se encontra em um estágio avançado. No entanto, existem alguns sinais precoces que podem ajudar a rastrear o câncer de ovário, mas estes sinais também podem indicar outras doenças. Por isso, observe bem antes de tirar conclusões precipitadas.

As mulheres são mais propensas a ter sintomas quando a doença já se espalhou para além dos ovários (metástase). Estes sintomas podem também ser causados por outros tipos de doenças. Quando são causados por câncer de ovário, estes sintomas tendem a ser persistentes e representam uma mudança do que é normal. Por exemplo, os sintomas podem ser mais graves ou ocorrem mais frequentemente. Portanto verifique com seu médico se qualquer um dos sinais persistem por mais de 2 semanas. Então, confira Os 10 Sinais do Câncer de Ovário que não Devem ser Ignorados.

Inchaço Abdominal: Você pode sentir seu abdômen gasoso ou inchado com mais frequência.

Constipação: Ataques regulares de constipação e evacuações irregulares. Tente comer mais alimentos ricos em fibras e veja se isso muda.

Dor Pélvica: Você pode sentir desconforto ao redor da região pélvica que não acaba mesmo tomando analgésicos.

Dor na Região Lombar: Dor lombar e desconforto é outro sinal do Câncer de Ovário que não Deve ser Ignorado, mas avalie a atividade recente que você praticou, pois a tensão no seu corpo pode dar-lhe espasmos nas costas inferiores.

Micção Frequente e Incontrolável: Urinar frequentemente e não ser capaz de controlar a si mesmo pode ser uma indicação de enfraquecimento dos músculos do assoalho pélvico. Mais uma vez, isso pode significar várias coisas, por isso certifique-se de verificar com o seu médico.

Perda de Apetite: Sentir-se cheio com facilidade ou perder peso de forma inexplicável são sinais de câncer no ovário que não devem ser ignorados.

Dor Durante a Relação Sexual: A dor pode ocorrer durante ou depois da relação sexual, especialmente em torno do abdômen e abaixo.

Fadiga: Ficar cansado mais rapidamente, sem qualquer atividade rigorosa é um dos sinais de câncer no ovário que não deve ser ignorado. Observe os seus níveis de energia intensamente para descobrir se eles estão realmente caindo.

Menstruação Irregular: Estatisticamente, as mulheres com mais de 55 têm um maior risco de câncer de ovário. No entanto, isso pode não ser sempre o caso. Câncer pode ocorrer mesmo em mulheres jovens que ainda não tiveram o seu primeiro ciclo menstrual.

Vômitos: Alguns casos de câncer de ovário, muitas vezes, leva à prisão de ventre, que causa náuseas, dor abdominal e perda de peso.

Muitas mulheres diagnosticadas com câncer de ovário não apresentaram todos os sintomas listados acima. Portanto, mantenha o foco, mesmo para um ou dois destes sinais e mantenha o controle. Se persistir por mais de 2 semanas, consulte o seu médico sobre isso.

sábado, 7 de janeiro de 2017

O talco em pó está relacionado com o câncer de ovário?

Hoje, conversando com uma amiga ela me contou que costuma usar talco para diminuir o desconforto causado pelo calor! Disse-me que o uso do talco costuma deixá-la com aquela sensação de banho tomado, que sente o corpo mais fresquinho! 
Imediatamente, lembrei-me de ter lido algo sobre a associação do uso do talco com ca de ovário.
Resolvi pesquisar e agora compartilho com vocês o que achei.

........................................................................................................................................................

Possivelmente todos nós, em algum momento, utilizamos talco em pó ou outros produtos que o contenha. O talco é utilizado em muitas indústrias, pois está presente em cosméticos, em pós para o rosto e, inclusive, pós para o cuidado dos bebês. No entanto, estudos recentes descobriram que o uso excessivo deste tipo de produto está relacionado com o câncer de ovário devido a alguns de seus componentes.


O que é o talco em pó?
O talco em pó é feito principalmente de talco, que é o silicato de magnésio (formado por silício, magnésio, oxigênio e hidrogênio). Em sua forma natural, o talco contém uma substância tóxica chamada amianto que, de acordo com várias pesquisas, poderia causar a aparição de diferentes tipos de cânceres. Desde o ano de 1970, nos Estados Unidos, os talcos em pó estão livres de amianto, graças às normas e regulamentações federais.

Atualmente o talco é utilizado de múltiplas formas pela indústria, já que é um ingrediente base de produtos de cosmética feminina e muitos outros do mercado. Com frequência, o talco é utilizado para absorver o excesso de umidade, mantendo a pele seca e livre de erupções. Graças a esta propriedade do talco, muitas mulheres o consideram um bom produto para a higiene feminina, já que mantém a área íntima seca e livre de maus cheiros.

Porém, a Sociedade Americana contra o Câncer adverte, pois várias pesquisas determinaram que pode haver uma relação entre o talco em pó colocado na área genital e a aparição do câncer de ovário. Estes estudos coincidem ao dizer que, ao utilizar o talco em pó nesta área do corpo, este produto pode viajar através do útero, para as tubas uterinas e ovários, e provocar uma inflamação no corpo da mulher, criando um ambiente perfeito para as células cancerosas.

O talco em pó que é aplicado nos bebês também pode causar a aparição de câncer de ovário em uma idade mais avançada, pois as partículas do talco caminham pelo aparelho reprodutor feminino, podendo ficar por anos nos ovários, o que criaria um ambiente ideal para que as células cancerosas originem a doença.

Uma pesquisa realizada em 1971  determinou que foram encontradas partículas de talco em 75% dos tumores de ovário que foram objeto do estudo. Em outra pesquisa, realizada em 8 países diferentes com 19 pesquisadores, foi determinado que existe um risco de câncer de ovário de 30 a 60% naquelas mulheres que utilizam talco em sua zona genital.

Mesmo que a Sociedade Americana contra o Câncer já tenha feito várias advertências sobre o risco de utilizar o talco em pó, por sua relação com o câncer de ovário, a Agência de Alimentos e Medicamentos (FDA, sigla em inglês) ainda não retirou este produto do mercado ou, pelo menos, não obrigou os fabricantes a colocar uma etiqueta informando do risco que o uso deste produto a longo prazo pode ter, especialmente se utilizado na área genital.

Advertências sobre o uso de talco em pó

Depois de reunir os resultados de várias pesquisas de todo o mundo com relação ao uso do talco em pó, muitas entidades de saúde e inclusive marcas de talco decidiram advertir sobre o uso deste produto.

A Academia Americana de Pediatria já não recomenda o uso do talco para bebês para o tratamento e prevenção da dermatite de fralda. Esta decisão foi tomada após o conhecimento de que o talco pode produzir danos nos pulmões dos bebês e sérios problemas respiratórios.

O rótulo do Talco para bebês da Johnson & Johnson Baby Powder contém a advertência de que o produto somente deverá ser utilizado externamente, e que deve ser evitado o uso sobre a pele lesionada, assim como o contato com os olhos e a zona do nariz porque pode causar problemas respiratórios.

A Coligação para a Prevenção do Câncer propõe que todos os produtos com Talco levem uma etiqueta onde contenha a advertência de sua relação com o aumento do risco de câncer de ovário: “A aplicação frequente de talcos em pó na área genital da mulher aumenta substancialmente o risco de câncer de ovário”.



A.C.Camargo Cancer Center e Institut Curie firmam acordo de colaboração para pesquisa do câncer e os primeiros alvos são os sarcomas e radioterapia

Acordo de colaboração científica entre o A.C.Camargo Cancer Center e um dos principais centros europeus de pesquisa do câncer, o Institut ...