terça-feira, 30 de abril de 2013

08/05/2013 - Dia Mundial do Câncer de Ovário




O Câncer de Ovário é um tipo de neoplasia maligna cujos sintomas geralmente se confundem com os de doenças não tão graves e, quando realmente incomodam, já é tarde demais. Por isso, é conhecido também como "câncer silencioso”.

Os sintomas na fase inicial da doença raramente levam as mulheres ao consultório médico, pois são corriqueiros e, aparentemente, "normais”. Perda de apetite, menstruação irregular, mudança nos hábitos intestinais, dores abdominais persistentes e complicações intestinais são sintomas importantes para a detecção da doença.

Grande parte das mulheres, porém, não reconhece a ligação entre tais sintomas e o câncer de ovário e, por isso, muitas são diagnosticadas em estágio avançado, o que dificulta as chances de cura e torna a doença altamente letal.

Se diagnosticado precocemente, o tumor do ovário pode ser retirado com cirurgia (sem que haja a necessidade de quimioterapia e radioterapia), apresentando perspectiva de vida maior do que 5 anos em 90% dos casos. Mas, para que isso aconteça, a mulher deve estar ciente dos sintomas e, o mais importante, deve procurar o médico assim que notar que algo de diferente está acontecendo em seu corpo. Ficar com dúvida ou deixar pra amanhã são sempre grandes complicadores.

Dia Mundial do Câncer de Ovário

Pensando em mudar o cenário do câncer de ovário no Brasil e no mundo, foi criada uma campanha global para conscientizar mulheres sobre os sinais e sintomas da doença e para dar voz a essa doença infelizmente tão silenciosa. Diferentemente do câncer de mama, o de ovário é pouco discutido, campanhas de conscientização ainda são escassas e, por isso, ONGs de diversas partes do globo se uniram a fim de dar destaque ao tema.

No Dia 8 de maio de 2013 acontecerá o primeiro Dia Mundial do Câncer de Ovário. Nessa data, organizações de pacientes de diversas partes do mundo irão se unir para educar a população feminina de seus países a respeito dos sinais e sintomas da doença e assim garantir que essas pacientes possam diagnosticar precocemente o câncer, ter acesso a tratamentos de qualidade e seus direitos garantidos.

Multiplique a Informação!

Além de se informar, você pode multiplicar a informação! Use seu perfil nas redes sociais para conscientizar suas amigas, mãe, tias, primas e todas as mulheres ao seu redor!

domingo, 28 de abril de 2013

Hoje completa 1 ano que operei do câncer de ovário!


Hoje, dia 28/04/2013, completa 1 ano que realizei a cirurgia citoredutora, mas parece que já se passaram anos e anos, pois durante esse período foram tantas vivências, tantas consultas, tantos exames, tantas emoções! rsrsrs Mas hoje, estou aqui, firme e forte, Graças a Deus!

Em minha recente consulta com o Dr. Carlos Faloppa, durante o exame, enquanto ele apalpava a minha barriga, olhou para a minha enooorme cicatriz e me disse, em terceira pessoa: 

- Mas que estrago  o Carlos fez ai!!!! 

...e eu lhe respondi: 

Não, o Dr. Carlos fez um excelente trabalho!

De fato, o Dr. Carlos fez um ótimo trabalho, pois ele e sua equipe trabalharam exaustivamente durante um sábado inteiro! Foram mais de 8 horas de cirurgia para efetuarem uma verdadeira "varredura" dentro de mim. Foi feita uma busca minuciosa em cada canto e em cada órgão do meu abdômen, para retirarem todo e qualquer resquício da doença depois das 4 pré-sessões de químio. 
Agradeço de todo o coração ao Dr. Carlos Faloppa e a toda a equipe de médicos, anestesistas, enfermeiros e auxiliares, que estiveram  presentes na cirurgia em 28/04/2012 e peço a Deus para que abençoe a todos! Obrigada, obrigada, obrigada! 
Espero que eu possa comemorar esse evento por muitos e muitos anos e, se Deus permitir, não seja necessário eu passar por tudo aquilo novamente! Obrigada Senhor, por hoje eu estar bem!

Alerta aos cânceres femininos invisíveis (Minha Entrevista' ao Portal IG Saúde)


Tumores malignos nas mamas não são únicas ameaças às mulheres e podem afetar ovários, útero, pulmão e outros órgãos. Médicos pedem mais atenção à prevenção

Fernanda Aranda , iG São Paulo | 15/04/2013 12:33:28


Há três anos, quem perguntasse à Nanci Venturini qual era a doença mais temida por ela, teria como resposta um gesto seguido por duas palavras: as mãos protegeriam o peito e ela diria “câncer de mama”.

Nanci, 48 anos, por exemplo, sequer imaginou que, além das mamas, outras regiões do organismo pudessem estar vulneráveis. Mas, desde 2011, ela faz parte das 6.190 mulheres que anualmente adoecem por causa do câncer no ovário , de acordo com o censo do Instituo Nacional do Câncer (Inca).

“O câncer de mama é o mais temido porque é mesmo o mais recorrente entre elas. Ao longo da vida, uma em cada nove mulheres terá a doença”, explica Glauco Baiocchi Neto, diretor de ginecologia do Hospital AC Camargo, uma das referências nacionais no tratamento. Segundo ele, a alta incidência faz com que as mulheres acabem se esquecendo de outros tipos de câncer que também são numerosos e, alguns, totalmente evitáveis.
“O câncer de colo de útero é um dos exemplos. Todas as lesões pré-cancerígenas no útero podem ser tratadas, mas ainda são 18 mil novos casos por ano, com quase 5 mil mortes de mulheres”, exemplifica Baiocchi ao completar a lista com outros tipos de tumores quase não lembrados no foco da prevenção.
Os cânceres em mulheres

Câncer no endométrio, o câncer na vulva, o câncer de cólon e no reto também são esquecidos pelas pacientes. Há ainda o câncer de ovário que tem uma particularidade: diferentemente dos outros, os exames preventivos ainda não são tão eficientes para o diagnóstico precoce. Por isso, é preciso alerta dos médicos e também das mulheres para buscar as intervenções o mais rápido possível”, afirma.

Corpo fala
Nanci Venturini atesta a dificuldade em detectar precocemente o câncer de ovário. Ela fazia mamografias e ultrassonografias transvaginais anualmente, como preconiza a cartilha dos bons cuidados preventivos. Apesar dos resultados não indicarem nenhum sinal de problema, o corpo, há tempos, dava sinais de que as coisas não andavam bem.
“Todas as dores abdominais, o desconforto após as refeições, a sensação de barriga estufada, o funcionamento irregular do intestino que eu enfrentava há meses, eu coloquei na conta do estresse e do excesso de trabalho”, lembra Nanci, que trabalha como assessora na reitoria de uma universidade em São Paulo.
Quando finalmente procurou o hospital por acreditar estar “estafada”, a biópsia revelou que existia ali no ovário esquerdo um tumor maligno já em estágio crítico, quase na última ponta da escala que mensura o avanço da doença.

Conversas com o corpo
Andrea Gadelha Guimarães, médica especializada em câncer de ovário, afirma que ficar atenta aos indícios de que o corpo não funciona em normalidade ainda é a principal estratégia para diagnosticar os tumores o mais rápido possível.
“Os sinais, como um sangramento anormal, um emagrecimento repentino, uma dor pélvica fora do comum, não são o diagnóstico fechado de câncer, mas devem alertar as mulheres a este tumor que, em 70% dos casos, ainda é constatado em fase avançada.”
Nanci, desde que recebeu o diagnóstico, decidiu não só ouvir mais as mensagens do corpo como também conversar diariamente com o próprio organismo.
“Sabia que por estar em uma fase avançada, a doença exigia um tratamento agressivo. Para me preparar para a batalha passei a falar todos os dias com o meu corpo”, conta.
“Pedia desculpa por ter maltratado o meu organismo. Dizia para ele que não seria fácil vivenciar a cirurgia e as quimioterapias, mas que não entregaríamos os pontos. É uma forma de meditação que me ajudou bastante”, lembra ela, que resolveu contar a experiência do enfrentamento da doença dos ovários em um blog .
O grande objetivo de dividir a experiência na internet, diz Nanci, é dar força a outras pacientes e alertar que o câncer não é um problema só das mamas.
“As mulheres precisam saber disso e ficar atentas aos cuidados preventivos.”

Receita universal
Pesquisando sobre a doença, Nanci descobriu que a alimentação saudável pode ser parceira na investida contra o câncer e resolveu priorizar as frutas, legumes, verduras e carnes brancas. A dieta, atestam os estudos, é mesmo um dos principais instrumentos da medicina preventiva contra todos os tipos de câncer femininos, inclusive os que ainda permanecem na invisibilidade.
Conheça alimentos poderosos contra o câncer
Pesquisa recente da Universidade de Brasília (UNB) confirmou o potencial dos produtos não saudáveis como gatilhos do câncer. De acordo com a publicação, a obesidade está de mãos dadas com o cânceres de mama, ovário e útero. O estudo mostra que só estes três tumores femininos provocados primordialmente pelo excesso de peso acarretam custo anual de R$ 50 milhões ao Sistema Único de Saúde (SUS).
O especialista Glauco Baiocchi Neto ressalta que a alimentação saudável é receita universal na prevenção de todos os tipos de câncer e completa que “não fumar” também é hábito protetor para pacientes dos mais variados tumores.
“Há uma íntima relação entre câncer de endométrio e tabagismo. Sem falar dos pulmões, já que 9 em cada 10 cânceres deste tipo acontecem em fumantes”, reforça o médico.
O câncer pulmonar feminino é outro exemplo de doença cancerígena que, até bem pouco tempo, nem era considerado pelas mulheres. Porém, o aumento do índice de fumantes entre elas – conforme detectou estudo do Ministério da Saúde – cobrou fatura. As pesquisas mais recentes indicam que a mortalidade de mulheres em decorrência desta neoplasia está em ascensão.

Viver mais e melhor
Nanci é uma das vozes contrárias ao cigarro. Ela fez cirurgia contra o câncer de ovário, passou por oito sessões de quimioterapia e diz agora estar na fase de enfrentar as sequelas do tratamento.
“Mas com uma diferença importante. Hoje me permito tudo que me privei antes da doença. Dizia não ter horas livres para cuidar de mim. Hoje arrumo tempo para caminhadas, ioga, meditação, natação. Quero viver. Mais e melhor.”

Veja a entrevista completa:

terça-feira, 23 de abril de 2013

Estresse e a possível vulnerabilidade ao câncer



Desde que fui diagnosticada com câncer, tenho lido muito a respeito do assunto e mantenho-me constantemente atualizada. Recentes pesquisas tem associado o câncer ao estresse e lendo sobre esse tema fui remetida ao ano de 2011, ano em que adoeci. Recordo-me que esse ano tinha sido extremamente estressante para mim. Lembro-me que, no início de 2011, a GVT tinha instalado um grande equipamento ao lado de minha casa, e que o barulho emitido pelo mesmo era ensurdecedor. Foram mais de 8 meses de noites mal dormidas e brigas com a própria GVT e com o SEMASA - Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André - para que fosse colocada uma cobertura no equipamento com o intuito de diminuir o nível de ruído e eu pudesse voltar a dormir ...
Como se não bastasse, no meu trabalho, durante boa parte do ano de 2011, o estresse também foi  imenso, pois, na época, o quadro de servidores era pequeno e o volume que eu tinha de trabalho era absurdo e, para ajudar, o clima interno também era bem ruim. Eu saia do trabalho literalmente esgotada, mentalmente e fisicamente.
E ainda, para ajudar, em setembro de 2011, a minha amada calopsita adoeceu da noite para o dia e entrei em uma tristeza profunda, pois nenhum veterinário tinha sido capaz de diagnosticar o que ela tinha...
De fato, o ano de 2011 foi todo de um estresse total ... E, para fechar o ano com chave de ouro, em novembro adoeci e em dezembro recebi o diagnóstico: câncer de ovário! 

Algumas vezes, as armadilhas que caímos sobre a maneira de nos relacionarmos conosco, com os outros e com as situações à nossa volta são de tal natureza que, se perdurarem durante um longo período podem estressar demais o nosso corpo. Resulta disso, em algumas ocasiões, que o corpo desmorona e o mecanismo de defesa contra o câncer pode ficar enfraquecido em virtude desse esgotamento. Coincidência ou não, no meu caso, acredito que isso possa ter ocorrido, pois o estresse, somado ao esgotamento físico e mental e às noites mal dormidas pode ter diminuído o meu mecanismo de defesa, e foi neste momento que a doença se instalou. Veja abaixo como funciona esse processo:

1. ESTRESSE: O ASSASSINO SILENCIOSO
O termo estresse denota o estado gerado pela percepção de estímulos que provocam excitação emocional e, ao perturbarem a homeostasia, disparam um processo de adaptação caracterizado, entre outras alterações, pelo aumento da secreção de adrenalina produzindo diversas manifestações sistêmicas.
A reação do organismo aos agentes estressores tem um propósito evolutivo. É em essência uma resposta ao perigo, que Selye dividiu em três estágios. No primeiro estágio (alarme), o corpo reconhece o estressor e ativa o sistema neuroendócrino. As glândulas adrenais, ou supra-renais, passam então a produzir e liberar os hormônios do estresse (adrenalina, noradrenalina e cortisol), que aceleram o batimento cardíaco, dilatam as pupilas, aumentam a sudorese e os níveis de açúcar no sangue, reduzem a digestão (e ainda o crescimento e o interesse pelo sexo), contraem o baço (que expulsa mais hemácias, ou glóbulos vermelhos, para a circulação sangüínea, o que amplia o fornecimento de oxigênio aos tecidos) e causa imunossupressão (ou seja, redução das defesas do organismo). A função dessa resposta fisiológica é preparar o organismo para a ação, que pode ser de luta ou fuga ao estresse.
No segundo estágio (adaptação), o organismo repara os danos causados pela reação de alarme, reduzindo os níveis hormonais. No entanto, se o estresse continua, o terceiro estágio (exaustão) começa e pode provocar o surgimento de uma doença associada à condição estressante. O estresse agudo repetido inúmeras vezes pode, por essa razão, trazer conseqüências desagradáveis, incluindo disfunção das defesas imunológicas. De modo geral, pode-se afirmar que o organismo humano está muito bem adaptado para lidar com estresse agudo, se ele não ocorre com muita freqüência. Mas quando essa condição se torna repetitiva ou crônica, seus efeitos se multiplicam em cascata, desgastando seriamente o organismo.

2. CÂNCER, O CORPO EM DESORDEM
O câncer é uma doença que se caracteriza pela proliferação excessiva de células sem finalidade em qualquer parte do corpo, onde 30 trilhões de células vivem em completa interdependência, cada uma regulando a proliferação da outra. A finalidade desse processo é preservar o tamanho de cada célula, mantendo a arquitetura apropriada para as necessidades do organismo.
As células cancerosas são as que estão fora do padrão de proliferação ordenada. Elas seguem o seu próprio controle interno de reprodução. Com isso, adquirem também outras propriedades, como invasão dos tecidos mais próximos, migração e implantação em locais distantes da sua origem primitiva, através do sangue e sistema linfático. (Ferreira, 2008)
Acredita-se na possibilidade de contribuições psicológicas no crescimento do câncer. Inúmeros pesquisadores vêm estudando possíveis efeitos de estados emocionais na modificação hormonal e desta na alteração do sistema imunológico (Bovbjerg, 1990). A relação entre o estresse e a depressão com o enfraquecimento do sistema imunológico e esta situação favorecendo o desenvolvimento de formações tumorais foram amplamente analisadas por Le Shan (1992), Simonton, Simonton e Creighton (1987) e pioneiros nos estudos dos aspectos psicológicos envolvidos nos processos de câncer.

3. TENSÃO O COMBUSTIVEL DO CÂNCER
São cada vez mais fortes as evidências de que os hormônios liberados em estado de tensão exarcebada agem sobre os tumores, ajudando-os a crescer e se espalhar.
Quando o estresse aumenta a imunidade vai lá para baixo e elevam-se os riscos de o corpo adoecer. Nos Estados Unidos os especialistas do M. D. Anderson, centro de pesquisa sobre câncer ligado à Universidade do Texas, notaram que o estresse é capaz de acelerar o desenvolvimento de células malignas no organismo.


Dessa forma, a melhor coisa a se fazer é procurar, a todo custo,  o equilíbrio, a serenidade, a fim  de viver mais tranquilamente, sem estresse e de  uma forma mais saudável! Ahhhh, se eu tivesse sabido disso antes....

WEHI-539 - Projeto de um novo agente anti-câncer






Dr. Guillaume Lessene e seus colaboradores têm feito sob medida um novo composto químico que bloqueia uma proteína que tem sido associada à fraca resposta ao tratamento em pacientes com câncer. (Crédito: Cortesia da imagem de Walter e Eliza Hall Institute)


Science News - 21 abril de 2013 - Cientistas do Walter e Eliza Hall Institute e seus colaboradores têm feito sob medida um novo composto químico que bloqueia uma proteína que tem sido associada à fraca resposta ao tratamento em pacientes com câncer.

O desenvolvimento do composto, chamado WEHI-539, é um passo importante para o projeto de um novo potencial agente anti-câncer.

WEHI-539 foi concebido para se ligar e bloquear a função de uma proteína chamada BCL-X G , que normalmente impede que as células morram. A morte ea eliminação de células anormais no corpo é uma salvaguarda importante contra o desenvolvimento do câncer. Mas as células cancerosas adquirem frequentemente alterações genéticas que lhes permitem evitar a morte celular, o que também reduz a eficácia de um tratamento anti-cancro, tais como quimioterapia.

As células cancerosas podem se tornar longa duração, produzindo altos níveis de BCL-X L de proteína, e altos níveis de BCL-X L também estão associados com piores resultados para os pacientes com câncer de pulmão, estômago, cólon e pâncreas.

Dr. Guillaume Lessene, Professor Keith Watson e Professor David Huang de ACRF divisão Biologia Química do instituto, eo Dr. Peter Czabotar e Professor Peter Colman de divisão de Biologia Estrutural do Instituto liderou o desenvolvimento de WEHI-539, em colaboração com colegas da Genentech, um membro da o grupo Roche. A pesquisa é publicada on-line hoje na revista Nature Chemical Biology .

Nova tecnologia em estudo detecta câncer de ovário usando células vizinhas


Science News - 22 abril de 2013 - A pioneira tecnologia biofotônica  desenvolvida na Universidade de Northwestern é o primeiro método de triagem para detectar a presença precoce de câncer de ovário em seres humanos através da análise de células vizinhas coletadas do útero ou do colo do útero e não dos próprios ovários.

A equipe de pesquisadores da Northwestern University e NorthShore HealthSystem (NorthShore) realizou um estudo clínico de câncer de ovário em NorthShore. Usando a microscopia de onda parcial espectroscópica (PWS), viram mudanças de diagnóstico em células retiradas do colo do útero ou útero de pacientes com câncer de ovário, embora as células pareciam normais sob um microscópio.

Os resultados têm o potencial de se traduzir em um método de detecção precoce minimamente invasiva utilizando células coletadas por swab, exatamente como um exame de Papanicolaou. Nenhum método confiável para a detecção precoce do câncer de ovário existe atualmente.

Em estudos anteriores Northwestern-NorthShore, a técnica PWS tem mostrado resultados promissores na detecção precoce de câncer de cólon, pâncreas e pulmão, utilizando células de órgãos vizinhos. Se comercializada, a PWS pode estar em uso clínico para um ou mais cancros em cerca de cinco anos.

O estudo do câncer de ovário, foi publicado este mês pela revista International Journal of Cancer .

A PWS utiliza a dispersão de luz para examinar a arquitectura das células em nanoescala e pode detectar mudanças profundas que são os primeiros sinais conhecidos da carcinogénese. Estas alterações podem ser vistas em células distantes do local do tumor, ou mesmo antes de se formar um tumor.

"Ficamos surpresos ao descobrir que pudemos ver as mudanças de diagnóstico em células retiradas de endocérvice em pacientes que tiveram câncer de ovário", disse Vadim Backman, que desenvolveu PWS em Northwestern. "A vantagem de nanocitologia - e por que estamos tão animados sobre ele - é que não precisa esperar para um tumor se desenvolver para se detectar câncer".

Backman é um professor de engenharia biomédica na Faculdade de Engenharia e Ciências Aplicadas McCormick. Ele e seu colaborador de longa data, Hemant K. Roy,  vêm trabalhando juntos há mais de uma década e ambos são autores do artigo.
"As mudanças que temos visto nas células têm sido idênticas, não importa qual o órgão que estamos estudando", disse Backman. 
"Essa descoberta intrigante pode representar um avanço que permitiria personalização de estratégias de rastreamento para o câncer de ovário através de um teste minimamente invasivo que pode ser acoplado ao exame de Papanicolau", disse Roy.

A PWS pode detectar características celulares tão pequenos como 20 nm, e descobrir diferenças nas células que parecem normais, utilizando técnicas de microscopia padrão. O teste baseado em PWS faz uso do "efeito de campo", um fenómeno biológico no qual as células situadas a alguma distância da neoplasia maligna ou pré-maligna, sofrem alterações moleculares e outros.

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Carta de um médico depois da morte de uma paciente de câncer se transforma em fenômeno na Internet



NOVA YORK - Salas de emergência de grandes cidades podem ser caóticas, opressivas e dolorosas. Quanto a relação paciente e médico, a experiência pode ser fria e impessoal. Assim, quando um médico de emergência do New York-Presbyterian Hospital escreveu uma carta sincera a um homem cuja esposa tinha acabado de morrer no hospital, vítima de um câncer de pulmão, milhares de pessoas tomaram conhecimento da carta e logo a mesma tornou-se um fenômeno na Internet.
A carta, que foi vista por mais de 2 milhões de pessoas, foi publicada pelo filho da mulher morta para o site de uma rede social, o Reddit, e pode ser vista abaixo.







Lê-se:

Prezado Sr. (removida),

Eu sou o médico do atendimento de emergência que tratou sua esposa Sra. (removida) no último domingo, no Departamento de Emergência do (hospital). Eu soube ontem sobre o falecimento de sua esposa e escrevo-lhe para expressar a minha tristeza. Nos meus vinte anos como médico na sala de emergência, eu nunca escrevi para um paciente ou um membro da família, uma vez que nossos encontros são normalmente apressados e nem sempre permitem uma interação mais pessoal.

No entanto, no seu caso, eu senti uma conexão especial com sua esposa (removida), que era tão envolvente e alegre, apesar de sua doença e dificuldade para respirar. Eu também fui tocado pelo fato de que vocês pareciam ser um casal muito amoroso. Você dava todo o apoio a ela, fazia as perguntas certas, com calma, cuidado e preocupação. Da minha experiência como médico, eu acho que o amor e o apoio de um cônjuge ou um membro da família é o dom mais suave, trazendo paz e serenidade para aqueles gravemente doentes.

Sinto muito pela sua perda, e eu espero que você possa encontrar conforto na memória do grande espírito de sua esposa e de seu vínculo amoroso. Minhas sinceras condolências para você e sua família.
(Removido), MD

-x-x-x-x-x
O filho de 24 anos de idade, que postou a carta, disse em uma entrevista por email com o Huffington Post , que a manifestação de apoio de usuários do Reddit o ajudou a lidar com a morte de sua mãe. Na verdade, ele postou a carta para o site com o cabeçalho  "Esta carta do médico a minha falecida mãe mudou a minha vida."

Ele disse Huffington Post que ele foi ajudado não só pelos sentimentos do médico, mas a onda de simpatia evocou dos outros.

"O apoio que recebi do Reddit foi incrível - médicos, enfermeiros e outros redditors que perderam suas mães ao câncer ficaram todos espantados que o médico tenha gasto tempo para escrever uma carta significativa tão sincero", disse ele.

Enquanto New York-Presbyterian Hospital confirmou o incidente, ele se recusou a identificar o médico, dizendo que ele ou ela preferiu manter o anonimato.




sábado, 20 de abril de 2013

A benção de adoecer.


Por: Irland Pereira de Azevedo

“Mas, o que posso dizer? Ele falou comigo e ele mesmo fez isso. Andarei humildemente toda a minha vida por causa dessa aflição da minha alma. Senhor, por tais coisas os homens vivem, e por elas também vive o meu espírito.Tu me restauraste a saúde e me deixaste viver. Foi para meu benefício que eu tanto sofri...” (Is 38.15-17ª NVI).

Estamos acostumados a celebrar a bênção da saúde, pois saúde é coisa boa. Saúde: é bom estado do organismo cujas funções fisiológicas se vão fazendo com regularidade e sem estorvos de qualquer espécie; saúde é harmonia, equilíbrio, alegria, enfim.
Mas a realidade é que muitas vezes vemos a saúde fugir; órgãos importantes apresentam problemas e aspectos e funções vitais de imenso valor são seriamente prejudicados. Adoecemos. Adoecemos, com maior ou menor gravidade, na infância, na adolescência, na idade adulta e principalmente na velhice. Às vezes a proximidade da doença é anunciada, e podemos até preveni-la ou atenuar-lhe as conseqüências. Outras vezes, a doença é repentina e fulminante.
Pois bem.
Qual é a nossa atitude em relação à doença? É evidente que ela altera ou perturba nossa vida e atropela nossos planos, sonhos, e vontade imensa de viver com qualidade.
À semelhança do rei Ezequias, e de minha experiência na mais recente hospitalização, quero convidar o leitor a refletir comigo sobre A BÊNÇÃO DO ADOECER.
Como notamos no texto de Isaías, acima reproduzido, disse o rei, depois de sua grave doença e da intervenção divina a prolongar-lhe os anos de vida: “Foi para meu benefício que eu tanto sofri”.
Que bênçãos, que descobertas positivas para existência humana recebemos ou deparamos na doença? É o que desejo lembrar e assinala, sem pretender exaurir o tema.

1.Quando adoecemos, descobrimos nossa finitude e humanidade. Não podemos tudo, não conseguimos fazer tudo o que queremos, interrompem-se nossos projetos, alteram-se nossos planos, damos-nos conta de que com saúde nos julgávamos necessários e até insubstituíveis; só que descobrimos, num leito de enfermidade, que o mundo não pára, a vida continua e às vezes nossos empreendimentos ou negócios chegam até a produzir mais.

2.Quando adoecemos, tomamos consciência da unidade e solidariedade da raça humana. Sim. Fazemos parte de uma humanidade pecadora, passível de adoecer e de transmitir de geração em geração doenças ou potencial delas que freqüentemente nossa indisciplina precipita que venham a aparecer. É o caso da cardiopatia de minha avó e de minha mãe que me dispôs a problemas cardiológicos com que venho padecendo há quase quinze anos. Espinho na carne com que tenho de conviver. Pena que tenha herdado muito mais os defeitos que as virtudes do coração delas!

3.Quando adoecemos, descobrimos que todos somos iguais: pobres e ricos, grandes e pequenos, homens e mulheres, doutores ou analfabetos, palacianos ou gente de rua, santos e pecadores. Todos adoecemos ou podemos adoecer. No leito da enfermidade, descobrimos a tolice do orgulho, da vaidade, da pretensão humana, da mania de grandeza. E do leito, saímos mais humanos e humildes. E não isso uma bênção?

4.Quando adoecemos, aprendemos “experiencialmente” a natureza relacional e interdependente do ser humano, e o valor da gentileza, da simpatia, do bom humor, da paciência. Pensávamos, quando saudáveis, não precisar de ninguém, não depender de ninguém, que dinheiro era capaz de adquirir todo bem estar, todo prazer, toda felicidade. Doentes, em leito hospitalar luxuoso ou singelo, rodeados de gente altamente capacitada e profissionalmente competente, ou de gente simples, nós nos damos conta de que precisamos dessas pessoas, dependemos delas, temos de tratá-las bem. Em troca, recebemos o carinho e o cuidado delas. E como é bom ver médicos, enfermeiros e enfermeiras e todo pessoal hospitalar, a trabalhar feliz e com diligência para nos prover bem estar, alívio de nossas dores ou desconforto e recuperar nossa saúde ou nossa esperança!

5.Quando adoecemos, verificamos a importância da família e do amor e cuidado que nos devota. Às vezes, parentes que não víamos fazia anos, comparecem em nosso quarto de hospital ou em casa, trazendo novo alento e razão para viver. Até reconciliação entre parentes desavindos ocorre durante nossa enfermidade, e só vamos saber depois. Como é bom ter família e ser família. Mas também, enfermos, descobrimos o valor de nossos amigos, de perto ou de longe, que nos levam carinho e solidariedade.

6.Quando adoecemos, recebemos consolações novas e novos insights da Palavra e Deus, se somos crentes em Jesus Cristo, tementes a Deus e acostumados a manejar a Bíblia, o Santo Livro. O leito de enfermidade constitui privilegiado lugar de meditação nas grandes verdades da fé, antes apenas parte de nosso discurso religioso. Ali somos consolados por Deus e nos tornamos fontes de consolação. É verdade.
A doença acaba abrindo espaços e cavando abismos em nossa vida que a graça divina vem preencher. No leito, ouvimos a promessa divina, como Paulo outrora: “A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza”. Consolados e fortalecidos, mesmo com o corpo abatido e maracado pela dor, passamos a ser agentes de consolação, de paz e esperança no hospital. Chego à conclusão de que um verdadeiro cristão, doente e internado num hospital, acaba se tornando ali uma bênção para profissionais da saúde e companheiros de sofrimento ou tratamento.

7.Quando adoecemos, verificamos a bondade de Deus ao prover multiplicidade de dons, talentos e aptidões humanas no hospital, clínica ou pronto socorro em que nos encontramos. Juntos, cada qual com seu conhecimento, sua técnica, seus instrumentos, a cuidar de nós. Como nos sentimos importantes e também descobrimos quão importantes são todos esses profissionais da saúde que atuam como integrantes de uma grande orquestra, a abençoar e celebrar a vida!
Nossa doença, complexa ou simples, permite o ensaio ou execução de todas as técnicas e formas de cuidado humano em relação às enfermidades humanas. Esse ensaio ou execução se tornam tanto mais eficazes quanto mais motivados movidos pelo amor à arte de cuidar e principalmente às pessoas.

8. Quando adoecemos, baixamos “nossa guarda”, como numa luta de boxe quando o lutador se sente extenuado e prestes a entregar os pontos. Gente que se diz atéia, agnóstica, inimiga de Deus, hostil aos crentes, mostra-se muito mais acessível, carente e pronta a pedir orações aos que dela se acercam.Estou persuadido de que dos hospitais e centros de saúde costumam sair mais pessoas reconciliadas com Deus, prontas para viver feliz ou morrer em paz, do que dos próprios templos religiosos. A doença nos apequena, quebranta e oferece oportunidade à graça consoladora do Evangelho!

9. Quando adoecemos, e levados para pronto socorro, hospital ou clínica especializada, descobrimos que existem outras pessoas com problemas iguais ou maiores do que os nossos. Com elas conversando, somos animados ou animamos, recebemos alento ou alentamos, sorrimos ou choramos. Descobrimos que somos gente como toda gente! E ao comparar com o nosso os fardos de enfermidade dos outros, muita vez ficamos agradecidos, porque o nosso é muito menor; ou, então, comovidos e prontos a interceder, porque o de nosso irmão é bem maior!

10.Quando adoecemos, descobrimos as dimensões das mãos de Deus, através das mãos humanas. Em verdade, nos damos conta de que as mãos hábeis e generosas de homens e mulheres, profissionais da medicina ou simples auxiliares que nos servem um pequeno lanche, um copo d’água ou limpam nosso quarto ou nosso leito, constituem extensão das mãos de Deus. Olhando bem, essas pessoas constituem anjos a rodear-nos e a mediar a bênção, a paz, a saúde ou a esperança com que sonhamos!
Repito com Ezequias, depois de várias experiêencias de adoecer e ser hospitalizado, e submeter-me a sérias intervenções cirúrgicas:
“Senhor, por tais coisas os homens vivem, e por elas também vive o meu espírito.Tu me restauraste a saúde e me deixaste viver. Foi para meu benefício que eu tanto sofri...”

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Deus é Fonte Infinita



Deus é Fonte Infinita e, quando caminhamos envolvidos com o divino, tudo se torna mais fácil. Todos dizem que acreditam em Deus, mas, temem perder a saúde, temem perder o emprego, temem ser roubados, temem que alguém os passe para traz, logo, percebe-se que não acreditam em nada, a não ser no mal. Quando acreditamos em Deus, fazemos o nosso melhor, acreditando no bem a ser encontrado em nós e em nosso caminho. Quando algo nos é apresentado, não devemos nos importar com os outros e com as condições que se apresentam no dia-a-dia, simplesmente, devemos fazer, porque acreditamos neste divino que nos permite a vida e assim nos envolvemos no melhor, respeitando, compartilhando, ouvindo, falando e agindo da melhor forma possível. Sabendo que, crendo no bem e não dando ouvidos a comentários pejorativos, vindos seja de quem for, o nosso caminho só pode tornar-se um bem pela fé. Quando conquistamos créditos da energia espiritual, que nos envolve, dando consentimento e disposição naquilo que damos foco, fluímos e caminhamos com liberdade, alegria e paz alcançada dentro da crença que nos rege, e os caminhos da vida tornam-se mais fáceis e o fluxo mais abundante nos levando às realizações. Deus é quem nos sustenta, guiando e amparando a concluir o que viemos designados a aprender nesta vida. Oriente-se desta Fonte Infinita que é nossa essência, Deus.

“Oriente-se Desta Fonte Infinita que é nossa Essência, Deus, dando Créditos a Energia espiritual, que nos Envolve”

- Texto escrito por: Vera Luz -




terça-feira, 16 de abril de 2013

Amato para neuropatia!



Desde a minha última consulta com a Dra. Sandra, da área de cuidados paliativos do AC Camargo, eu estava tomando 10 mg de nortriptilina  para a neuropatia, mas eu estava ficando super agitada e tinha altas insônias. Ao me deitar, parecia que tinha um rádio ligado dentro de minha cabeça e eu não conseguia dormir de jeito nenhum! Se ao menos tivesse resolvido a neuropatia, mas não resolveu! Mandei um torpedo para a médica, conforme ela me solicitou, mas não obtive resposta! O que foi que eu fiz? Parei de tomar a tal droga! Uma droga mesmo de remédio! 
Como eu tinha ainda alguns comprimidos de Amato de 25 mg, resolvi voltar a tomá-los e percebi que a depressão que tive anteriormente não era ocasionada por este medicamento. Acredito que eu tenha ficado deprimida em decorrência da morte do meu bichinho de estimação somada a falta de hormônios!
Desta vez, o Amato está me fazendo muito bem, pois tem controlado a dor decorrente da neuropatia, embora a dormência permaneça. Mas o mais importante de tudo é que tenho dormido bem e isso para mim é tão bom! Uma outra coisa boa desse medicamento é que ele não dá fome e não engorda como a gabapentina e a venlafaxina, e outra coisa boa é que ele é baratinho! Maravilhaaaaaa, unir o útil ao agradável é tudo de bom!

Vida íntima



Quando pensas na dor, invoca a presença do infortúnio.

Quando meditas no mal, intensifica-lhe o crescimento.

Quando refletes na tristeza, agiganta-se a amargura.

Quando te aconselha com a desconfiança, golpeias a própria fé.

Quando desejas prazeres inferiores, atrais a força tenebrosa que te servirá em lastimáveis realizações.

Quando pensas, porém, na alegria do trabalho, o trabalho acrescentar-te-á alegria.

Quando meditas no bem, o bem virá em teu auxilio.

Quando te entendes com a fé, o otimismo e a segurança escudar-te-ão o espírito.

Não abandones o campo íntimo.

Teu desejo - tua meta.

Tua consciência - teu condutor.

De nosso próprio coração nasce a corrente que nos levará aos cimos resplendentes da vida ou aos escuros abismos da morte.

Pelo Espírito Ismael Souto - Livro Relicário de Luz. Psicografia Francisco Cândido Xavier

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Teu Livro



A existência na Terra
é um livro que estás escrevendo.
Cada dia é uma página.
Cada hora é uma afirmação de tua personalidade,
através das pessoas e
das situações que te buscam.

Não menosprezes o ensejo
de criar uma epopéia de amor
em torno de teu nome.
As boas obras são frases de luz
que endereças à humanidade inteira.

Em cada resposta aos outros,
em cada gesto para com os semelhantes,
em cada manifestação dos teus pontos de vista
e em cada demonstração de tua alma,
grafas com tinta perene, a história de tua passagem.

Nas impressões que produzes,
ergue-se o livro dos teus testemunhos.
A morte é a grande colecionadora que recolherá
as folhas esparsas de tua biografia,
gravada por ti mesmo, nas vidas que te rodeiam.
Não desprezes, assim, a companhia da indulgência,
através da senda que o Senhor te deu a trilhar.

Faze uma área de amor ao redor do próprio coração,
porque só o amor é suficientemente forte e sábio
para orientar-te a escritura individual,
convertendo-a em compêndio de auxílio e esperança
para quantos te seguem os passos.

Vive, pois, com Amor, na intimidade do coração,
não te afastes dele em tuas ações de cada dia
e o livro de tua vida converter-se-á num poema
de felicidade e num tesouro de bênçãos.

Emmanuel
psicografado por Francisco Cândido Xavier

Carta de um médico de oncologia infantil


Texto transcrito na totalidade:

Médico cancerologista, já calejado com longos 29 anos de atuação profissional, com toda vivencia e experiência que o exercício da medicina nos traz, posso afirmar que cresci e me modifiquei com os dramas vivenciados pelos meus pacientes.
Dizem que a dor é quem ensina a gemer. Não conhecemos nossa verdadeira dimensão, até que, pegos pela adversidade, descobrimos que somos capazes de ir muito mais além.
Descobrimos uma força mágica que nos ergue nos anima, e não raro, nos descobrimos confortando aqueles que vieram para nos confortar. No início da minha vida profissional, senti-me atraído em tratar crianças, me entusiasmei com a oncologia infantil. Tinha, e tenho ainda hoje, um carinho muito grande por crianças.
Elas nos enternecem e nos surpreendem como suas maneiras simples e diretas de ver o mundo, sem meias verdades.
Nós médicos somos treinados para nos sentirmos “deuses”.
Só que não os somos! Não acho o sentimento de onipotência de todo ruim, se bem dosado.
É este sentimento que nos impulsiona que nos ajuda a vencer desafios, a se rebelar contra a morte e a tentar ir sempre mais além.
Se mal dosado, porém, este sentimento será de arrogância e prepotência, o que não é bom. Quando perdemos um paciente, voltamos à planície, experimentamos o fracasso e os limites que a ciência nos impõe e entendemos que não somos deuses.
Somos forçados a reconhecer nossos limites!
Recordo-me com emoção do Hospital do Câncer de Pernambuco, onde dei meus primeiros passos como profissional.
Nesse hospital, comecei a freqüentar a enfermaria infantil, e a me apaixonar pela oncopediatria.
Mas também comecei a vivenciar os dramas dos meus pacientes, particularmente os das crianças, que via como vítimas inocentes desta terrível doença que é o câncer.
Com o nascimento da minha primeira filha, comecei a me acovardar ao ver o sofrimento destas crianças. Até o dia em que um anjo passou por mim.
Meu anjo veio na forma de uma criança já com 11 anos, calejada por dois longos anos de tratamentos os mais diversos, hospitais, exames, manipulações, injeções, e todos os desconfortos trazidos pelos programas de quimioterapias e radioterapia.
Mas nunca vi meu anjo fraquejar.
Já a vi chorar sim, muitas vezes, mas não via fraqueza em seu choro. Via medo em seus olhinhos algumas vezes, e isto é humano!
Mas via confiança e determinação. Ela entregava o bracinho à enfermeira, e com uma lágrima nos olhos dizia: faça tia, é preciso para eu ficar boa.
Um dia, cheguei ao hospital de manhã cedinho e encontrei meu anjo sozinho no quarto. Perguntei pela mãe. E comecei a ouvir uma resposta que ainda hoje não consigo contar sem vivenciar profunda emoção.
Meu anjo respondeu:
Tio, disse-me ela, às vezes minha mãe sai do quarto para chorar escondido nos corredores. Quando eu morrer, acho que ela vai ficar com muita saudade de mim. Mas eu não tenho medo de morrer, tio. Eu não nasci para esta vida!
Pensando no que a morte representava para crianças, que assistem seus heróis morrerem e ressuscitarem nos seriados e filmes, indaguei:
E o que a morte representa para você, minha querida?
Olha tio, quando agente é pequena, às vezes, vamos dormir na cama do nosso pai e no outro dia acordamos no nosso quarto, em nossa própria cama não é? (Lembrei minhas filhas, na época crianças de 6 e 2 anos, costumavam dormir no meu quarto e após dormirem eu procedia exatamente assim.)
É isso mesmo, e então?
Vou explicar o que acontece, continuou ela:
Quando nós dormimos, nosso pai vem e nos leva nos braços para o nosso quarto, para nossa cama, não é?
É isso mesmo querida, você é muito esperta!
Olha tio, eu não nasci para esta vida! Um dia eu vou dormir e o meu Pai vem me buscar. Vou acordar na casa Dele, na minha vida verdadeira!
Fiquei “entupigaitado”. Boquiaberto, não sabia o que dizer. Chocado com o pensamento deste anjinho, com a maturidade que o sofrimento acelerou, com a visão e grande espiritualidade desta criança, fiquei parado, sem ação.
E minha mãe vai ficar com muitas saudades minha, emendou ela.
Emocionado, travado na garganta, contendo uma lágrima e um soluço, perguntei ao meu anjo:
E o que a saudade significa para você, minha querida?

Não sabe não tio? Saudade é o amor que fica!
Hoje, aos 53 anos de idade, desafio qualquer um dar uma definição melhor, mais direta e mais simples para a palavra saudade: é o amor que fica!
Um anjo passou por mim… Foi enviado para me dizer que existe muito mais entre o céu e a terra, do que nos permitimos enxergar. Que geralmente, absolutilizamos tudo que é relativo (carros novos, casas, roupas de grife, jóias) enquanto relativizamos a única coisa absoluta que temos nossa transcendência.
Meu anjinho já se foi, há longos anos. Mas me deixou uma grande lição, vindo de alguém que jamais pensei, por ser criança e portadora de grave doença, e a quem nunca mais esqueci. Deixou uma lição que ajudou a melhorar a minha vida, a tentar ser mais humano e carinhoso com meus doentes, a repensar meus valores. Hoje, quando a noite chega e o céu está limpo, vejo uma linda estrela a quem chamo “meu anjo, que brilha e resplandece no céu. Imagino ser ela, fulgurante em sua nova e eterna casa.
Obrigado anjinho, pela vida bonita que teve, pelas lições que ensinastes, pela ajuda que me destes. Que bom que existe saudades!
O amor que ficou é eterno.

Artigo do Dr. Rogério Brandão
Médico oncologista clínico
RC Recife Boa Vista D4500

sábado, 13 de abril de 2013

10,000 visualizações!

Olá leitores, tudo bem com vocês? Comigo está tudo bem, Graças a Deus!
Neste fim de semana, o blog "CÂNCER DE OVÁRIO: UM MAL SILENCIOSO" chegou às 10.000 visualizações! É um número modesto para o mundo virtual, mas estou feliz com este resultado, pois aos poucos a minha voz de alerta está ecoando ao redor do mundo!
Muito Obrigada a você que acompanha meu trabalho desde o início e a todos os que estão chegando agora.
Que Deus abençoe a todos e que a cada dia o meu desejo de vencer esse câncer seja a fonte de minhas inspirações!
Conto com vocês para prosseguirmos nessa luta juntos!


                   Visualizações de página por país

Gráfico dos países mais populares entre os visualizadores do blog

EntradaVisualizações de página
Brasil
7703
Estados Unidos
1226
Portugal
318
Alemanha
173
Rússia
127
Suíça
83
França
82
Chile
40
Polônia
28
Romênia
7

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Oração para a cura


             “Meu pai, curai-me, mas fazei que a minha alma doente seja curada antes das enfermidades do meu corpo; que minha carne seja castigada, se necessário, para que a minha alma se eleve para vós, com a brancura que possuía quando a criastes.”
Amém”



Harmonia no trabalho


Por Lupe leal

No dia-a-dia somos reféns do relógio, prazos, trabalho, responsabilidades profissionais, pessoais, do cotidiano de uma forma geral.
Pergunto: quando foi à última vez que você parou para observar quão incrível e harmonioso funciona o mundo ao nosso redor?! A natureza?! O universo?!
Mesmo ao leitor que trabalha em foco para o bem estar do meio ambiente, tenho certeza que a natureza passa muitas vezes despercebida, o universo então...
O “x” da questão, é que mesmo “distantes” de nós e aparentemente com função simples, universo e natureza são os melhores exemplos de ciclos harmônicos.
É incrível como tudo a nossa volta rege-se sob harmonia.
A harmonia ou equilíbrio (chame como quiser) está acontecendo, nesse momento, em todas as suas ações, nas minhas; você inspira oxigênio, elimina gás carbônico, a fotossíntese faz o inverso, o vento carrega as sementes que semearão os campos e novas flores serão fonte para que insetos se alimentem e assim, quase que infinitamente, por diante.
Essas ordens naturais são fruto da energia.
A energia define-se por qualquer coisa que esteja em movimento, jamais é perdida e é sempre transferida ou transformada para outro corpo.
Você já pensou que somos feitos da mesma energia presente do cosmo?!
Cosmo é a estrutura universal por completo, tudo é energia, movimento, transformação e transferência.
Albert Einsten, e memórias de nosso tempo de ginásio a parte, o importante é destacar que mesmo alheios somos parte integrante e fundamental para o sucesso desse ciclo harmonioso.
Pensemos no nosso organismo. Cada órgão cumpre a sua função, dependente um do outro, para o equilíbrio. 
O fígado, por exemplo, é responsável por mais de quinhentas funções no organismo humano, é um “faxineiro”, sem ele os outros órgãos não poderiam realizar suas funções, o sangue estaria sujo e a vitamina A e enzimas não estariam em seus devidos lugares.
Traçando um paralelo, de como é uma empresa, independente de seu porte ou faturamento, cada colaborador tem sua função e todos são importantes para que este “organismo” flua em harmonia.
O que seria da secretária sem a faxineira, ou desta sem o operador de máquina ou o administrador?!
Tudo funciona como um ciclo, uma cadeia de causa e efeito, ação e reação. 
Como podemos ter harmonia no ambiente de trabalho, onde passamos a maior parte do nosso dia?
Em primeiro lugar, se você é daqueles que trabalha por obrigação, que encara o trabalho como um castigo, sente-se carregando um fardo enorme, bem, jamais terá harmonia no seu ambiente de trabalho, afinal você deve ser um dos responsáveis pelo desequilíbrio do ambiente.
O trabalho é uma dádiva pelo simples fato de exercitar a mente.
É seu segundo lar, é nele que está sua segunda família, então contribua para o clima favorável, um ambiente agradável para que todas as atividades sejam feitas de forma produtiva.
Os resultados da sua empresa são vitórias da qual você é peça fundamental, e conseqüentemente agrega e proporciona ganhos ao seu lar, sua família, não apenas monetariamente falando, mas em termos de estabilidade, desenvolvimento profissional e pessoal.

Vamos acertar outros pontos:
1 - Qual a primeira coisa que você faz quando acorda?! 
Não, além de esmurrar o despertador! 
2 - Qual seu primeiro pensamento?!  
Se o pensamento for mal humorado por acordar cedo, atrasado, ou imaginando todos aqueles e-mails que terá que ler, ou xingando a terceira geração por bater o dedinho do pé na quina da cama, seja qual for seu perfil, é importante esclarecer que não há harmonia que resista ou que até exista em qualquer dessas situações.
Pare de resmungar. Se você é daqueles que dormiu com a crise, ao menos acorde sem ela.
O primeiro pensamento é a chave para o seu dia!  
O poder da nossa mente define tudo, os pensamentos, o nosso livre arbítrio, é da mesma energia do universo, que conspira a nosso favor, seja nosso pensamento bom ou ruim. Portanto esqueça os “nãos”, o negativismo.
Como diz o ditado, “a primeira impressão é a que fica”. Você pensa, seu cérebro processa. Portanto a primeira coisa a ser feita é elevar os pensamentos ao ânimo, entusiasmo, gratidão pela dádiva de mais um dia de oportunidades e de trabalho. 
Agradeça pela sua noite de sono, pela sua saúde, pelas suas mãos, pés, visão, audição, agradeça por estar apto a vencer.
Alegria de viver, mesmo frente às obrigações.
Há uma missão que nos foi confiada, e se foi é porque somos especiais, competentes para tal.
Em harmonia temos a mente aberta a novas idéias, renovações, tudo flui em sincronia, coreografado. 
No trabalho, haverá melhor relacionamento e compreensão com os colegas, fortalecendo um espírito de equipe revigorando o elo que mantém viva a empresa para um bem comum.
A mente é poder maior, a harmonia uma virtude, sabedoria. 
Tudo depende de você.

Lupe Leal 

Terapeuta Holística, Acupunturista Auricular e Koryo, Reikiana, Massagista Terapêutica e Estética
Lupe.sol@hotmail.com

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Meditação para cura.

Olá pessoal, tudo bem com vocês? Comigo está tudo ótimo, graças a Deus!
Hoje, em minha sessão de acupuntura, a Lupe, minha terapeuta, mencionou que a cada 120 dias todas as células do nosso corpo se renovam! O nosso cérebro envia informações a todas as células e, desta forma, somos o que pensamos. Em busca da cura, cabe a nós reprogramarmos o nosso cérebro para que ele envie informações salutares às células doentes para que elas se regenerem saudáveis! Uma forma de fazer isso é mediante a meditação. A Lupe me ensinou uma meditação simples, a qual compartilho com vocês:
A mesma deverá ser realizada durante 21 dias, que é o tempo necessário para reprogramarmos o nosso pensamento. Escolher um horário do dia para realizá-la e um ambiente tranquilo. Ficar deitada, com os olhos fechados e procurar relaxar, inspirando e expirando profundamente. Vá sentindo a sua respiração e imagine uma luz na cor verde neon brilhante penetrando pelos seus pés, sinta essa luz subindo, percorrendo lentamente as suas pernas e envolvendo cada osso, músculo, veia, nervo, carne, pele, envolvendo cada célula... Enquanto essa ENERGIA CÓSMICA vai penetrando o seu corpo vá repetindo: SINTO PROFUNDO AMOR, GRATIDÃO E RESPEITO PELO MEU CORPO. Sinta essa luz verde subindo por sua pelve, adentrando em seu abdômen e envolvendo cada um dos seus órgãos: o intestino, a bexiga, o útero, os ovários, os rins, o fígado, o estomago, o baço, a vesícula.... e cada célula que os compõe. Sinta a luz verde neon brilhante subindo por sua coluna e chegando até o seu peito, sinta essa luz envolvendo os seus pulmões e o seu coração.  Sinta essa luz subindo por sua garganta,  chegando até sua cabeça e envolvendo todo o seu cérebro. Deixe que esta luz  verde neon brilhante envolva toda a sua cabeça, como uma pequena nuvem verde, e agradeça ao corpo que você habita e peça desculpas  por algum dano que você  tenha causado a ele. Peça para que essa luz salutar regenere cada célula do se corpo e lhe ajude a ter de volta a sua saúde plena. 
Depois de realizar esta meditação por 21 dias, você poderá praticá-la a qualquer hora do dia e em qualquer local. Lembre-se sempre de conversar com o seu corpo, de agradecer pelo corpo que habita. Creia em sua cura e em seu pleno restabelecimento! Creia, creia, creia que está bem ....

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Cientistas identificam novos marcadores para o risco de câncer de mama, ovário e próstata


DNA3
Um enorme esforço internacional, envolvendo mais de 100 instituições e testes genéticos em 200.000 pessoas, descobriu dezenas de marcadores no DNA que podem ajudar a revelar ainda mais o risco de uma pessoa para desenvolver câncer de ovário , mama ou próstata .
Trata-se da mais recente megaoperação conjunta entre cientistas para aprender mais sobre os intrincados mecanismos que levam ao câncer. Enquanto o progresso parece significativo em muitos aspectos, a recompensa potencial para as pessoas comuns é principalmente esta: no futuro, testes genéticos poderão ajudar a identificar quais mulheres se beneficiam mais fazendo a mamografia periódica e quais homens poderiam se beneficiar mais dos testes de PSA e das biópsias da próstata. Talvez, num futuro ainda distante, essas pistas genéticas também possam levar a novos tratamentos contra a doença.

“Isso acrescenta mais peças ao quebra-cabeça”, afirmou Harpal Kumar, presidente-executivo da Cancer Research UK, o fundo que financiou grande parte da pesquisa.
Entre os homens cuja história familiar lhes dá cerca de 20% de risco de ter câncer de próstata, os novos marcadores genéticos poderiam identificar aqueles cujo verdadeiro risco de ter a doença é de 60%.
Os novos marcadores também podem fazer a diferença para as mulheres com mutações do gene BRCA – tê-los, coloca a mulher em risco elevado para câncer de mama. Nestes casos, os pesquisadores podem, no futuro, ser capazes de separar aquelas cujo risco excede 80% das mulheres com risco mais baixo, entre 20% e 50%. Com essa precisão, algumas mulheres podem escolher monitorar a própria saúde com exames periódicos em vez de tomar a medida drástica de ter os seios saudáveis removidos para evitar o surgimento da doença.
Especialistas que não participaram do estudo afirmam que os resultados são encorajadores, mas que são necessárias mais pesquisas para ver como toda essa informação seria útil para orientar o atendimento ao paciente.
O câncer de mama é a neoplasia maligna mais comum entre as mulheres em todo o mundo, com mais de 1 milhão de novos casos por ano. O câncer de próstata é o segundo câncer mais comum em homens, depois do câncer de pulmão, com cerca de 900 mil novos casos a cada ano. O câncer de ovário é responsável por cerca de 4% de todos os cânceres diagnosticados em mulheres, causando cerca de 225.000 casos em todo o mundo.
Os novos resultados foram divulgados em 13 trabalhos publicados nas revistas científicas Nature Genetics e Genetics PLOS, entre outras. Eles vêm de uma colaboração que envolve mais de 130 instituições nos Estados Unidos, Europa e outros lugares do globo. A pesquisa foi financiada pela Cancer Research UK, pela União Europeia e pelos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA.
Os cientistas usaram exames de DNA de mais de 200.000 pessoas para procurar os marcadores, pequenas variações nas 3 bilhões de “letras” do código do DNA que estão associados com risco de doença. Foram descobertos 49 novos marcadores de risco para câncer de mama, mais um par de outros que modificam o risco de câncer de mama a partir de raros genes mutados, 26 marcadores de câncer de próstata e oito para o câncer de ovário.
Individualmente, cada marcador tem apenas um impacto pequeno na estimativa de risco, muito pequeno para ser útil por si só, disse Douglas Easton, da Universidade de Cambridge, da Inglaterra, um dos autores do estudo.
“Eles seriam combinados e adicionados a marcadores previamente conhecidos para ajudar a revelar risco de uma pessoa”, explicou ele.
Fonte: AP via iG  08/04/2013

sexta-feira, 5 de abril de 2013

Tempo de viver coisas novas e sair da rotina...


Para quem trabalhou por uma vida toda e que agora está de licença médica, encontrar o que fazer para se distrair é um tormento! Durante esses quase um ano e meio de afastamento do trabalho, já esgotei todas as minhas possibilidades de atividades para me distrair: leitura de livros, assistir filmes, bordado em ponto cruz, exercícios físicos, caminhadas, assistir a programas de tv, testar novas receitas.... Acho que acabei caindo na rotina!..com exceção aos dias que tenho consultas ou exames! rsrsr
Fazer sempre as mesmas coisas pode ser bastante enjoativo, mas o que fazer para sair da rotina e quebrar o tédio?  
Hoje, resolvi sair da rotina e saí para almoçar com algumas colegas do trabalho. Foi muito bom revê-las, colocar a conversa em dia, saber dos babados do trabalho, falar de viagens, do câncer que tive, de colegas que estão doentes, de colegas que saíram da empresa, enfim, foram muitos assuntos rsrs.... Essa simples mudança de rotina me fez bem!
Não é pelo fato de se estar passando por algum tratamento é que devemos ficar enclausuradas e nos isolar do mundo. Esse é o momento de vivermos coisas novas! Fazer coisas diferentes e inusitadas é uma boa pedida, talvez visitar um museu que tenha alguma exposição nova, ir ao cinema ou a algum bom restaurante, fazer um trabalho voluntário, sair com amigas, fazer um curso interessante ou algo que lhe dê algum prazer, pois quando nos acomodamos à rotina da vida, perdemos, pouco a pouco, o pulso de nós mesmos! Somos responsáveis em tornar nossa vida especial e dinâmica ou entrar numa rotina infernal, vivendo de forma morna, sem brilho e sem emoções.
Já estou pensando no que farei de diferente amanhã, pois a palavra de ordem é MUDANÇA!


quinta-feira, 4 de abril de 2013

Câncer entre lençóis...

Sexo. É sempre um tema que prende a atenção...E é precisamente sobre isso que vou escrever hoje.
Antes de adoecer, eu já tinha usado uma daquelas celebres desculpas para evitar o parceiro, tais como:

1• “Estou muito cansada” ou “preciso dormir”
2• “Não me sinto bem” , estou com dor de cabeça
3• “Não estou no clima”
4• “Tenho de me levantar cedo/Vou trabalhar amanhã”...
Desde que fui diagnosticada com câncer, percebi que o meu desejo sexual diminuiu bastante, e dessa vez, as desculpas tiveram fundamento! O diagnóstico em si me causou muita preocupação, a própria doença e o longo tratamento que eu teria pela frente fez com que a minha sexualidade fosse deixada de lado e o meu foco fosse direcionado somente para a minha recuperação! A relação conjugal também acabou sendo abalada com o diagnóstico e isso acabou por provocar o afastamento íntimo de ambos durante os tratamentos quimioterápico e cirúrgico e, em razão dos mesmos, também ocorreu a diminuição da libido, pois, além das quimios que me deixavam literalmente acabada e debilitada, com a retirada dos ovários também ocorreu a interrupção abrupta na produção dos hormônios sexuais! Algumas questões psicológicas também acabaram por interferir no comportamento sexual, pois eu me senti, durante algum tempo,"incompleta" após a cirurgia! A retirada dos órgãos reprodutores deixou um vazio dentro de mim e a cicatriz me causava um certo constrangimento... A imagem corporal foi afetada com a perda de cabelo, cílios e sobrancelhas, sem  contar o ganho de peso, o que levou a uma baixa auto-estima, que também acabou por afetar a libido. Somado a tudo isso, passei a dormir mal com o tratamento e essa interferência em meus hábitos do sono também acabaram por interferindo em meu desejo sexual. Resumindo, o tratamento para o câncer afeta o corpo e a mente, afeta a nossa vida e a de quem está do nosso lado. Espero que eu possa,  gradativamente, ir retornando à minha normalidade, pois uma vida sexualmente ativa trás benefícios para a saúde, dentre eles:

Diminui o estresse - Um dos grandes benefícios do sexo é seu efeito na pressão arterial e na diminuição do hormônio cortisol, que fica elevado em situações estressantes, indica um estudo escocês publicado na revista 'Biological Psychology'. O levantamento mostrou que aqueles que fazem sexo antes de algum evento importante, como uma apresentação no trabalho, têm um desempenho melhor.

Aumenta a imunidade - Uma vida sexual ativa aumenta os níveis de um anticorpo conhecido como IgA, que protege o corpo de infecções como as gripes e os resfriados. Basta fazer sexo uma ou duas vezes na semana para ter o benefício, mostra um estudo feito pela Wilkes University, nos Estados Unidos.

Queima calorias - Faltou a academia? Opte pelo plano B. Trinta minutos de sexo queimam 85 calorias, em média. Para a sexóloga Patti Britton, presidente da Associação Americana de Educadores e Terapeutas Sexuais, as relações sexuais podem ser uma ótima forma de gastar calorias extras.

Aumenta a intimidade no relacionamento - Pesquisadores da Universidade de Pittsburgh mostraram que os casais que têm mais contato físico são também os mais felizes. O motivo é a ocitocina, também conhecido como o hormônio do amor, que aumenta a empatia e a generosidade.

Melhora o sono - A ocitocina, que é liberada durante o orgasmo, também é um excelente sonífero.

Diminui a dor - Os hormônios liberados durante o sexo, entre eles as endorfinas, podem aliviar as dores de cabeça, da artrite e da TPM, indica um estudo publicado no 'Bulletin of Experimental Biology and Medicine'. Após a relação sexual, podemos ficar até 50% mais resistentes à dor.

Protege o coração - Pessoas mais velhas podem achar que uma sessão mais quente pode aumentar o risco de derrames, mas isto raramente é o caso, comprovaram pesquisadores na Inglaterra. O estudo, publicado no 'Journal of Epidemiology and Community Health', mostrou que não há relação entre os dois. Eles comprovaram também que manter relações uma ou das vezes por semana pode diminuir o risco de infartos pela metade.

Fortalece os músculos pélvicos - Um benefício inesperado do sexo é que ele pode evitar a incontinência na terceira idade, principalmente entre as mulheres.

Melhora a autoestima - A autoconfiança aumenta naqueles que praticam sexo pelo menos uma vez por semana, mostra um estudo feito por pesquisadores da Universidade do Texas, nos EUA, publicado no 'Archives of Sexual Behavior'.

CÂNCER DE OVÁRIO - NOSSA VOZ GANHANDO FORÇAS

Há 5 anos atrás muito pouco se ouvia falar sobre câncer de ovário! Muitas mulheres diagnosticadas com ca de ovário  sofriam caladas e isol...